A Visão de Clarice

“NÃO TEMOS AMADO, acima de todas as coisas. Não temos aceito o que não se entende porque não queremos passar por tolos. Não temos nenhuma alegria que já não tenha sido catalogada. Temos construído catedrais, e ficado do lado de fora, pois as catedrais que nós mesmos construímos tememos que sejam armadilhas. […]

NÃO temos usado a palavra amor para não termos de reconhecer sua contextura de ódio, de ciúme e de tantos outros contraditórios. Temos disfarçado com falso amor a nossa indiferença, sabendo que nossa indiferença é angústia disfarçada. Não temos adorado a Deus por termos a sensata mesquinhez de nos lembrarmos a tempo dos falsos deuses.

NÃO temos sido puros e ingénuos para não rirmos de nós mesmos e para que no fim do dia possamos dizer ‘pelo menos não fui tolo’ e assim não chorarmos antes de apagar a luz. Temos chamado de fraqueza a nossa candura. Temo-nos temido um ao outro, acima de tudo. E mesmo assim, consideramos tudo isso a vitória nossa de cada dia.”  CLARICE LISPECTOR, trecho da crônica “Vitória Nossa”.


Grata de coração

Clarice

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s