A todas as Pessoas que sentem que não pertencem a nenhum lugar

Todos nós somos abençoados e amados por muitas pessoas. Simplesmente temos de ignorar todos os sentimentos e pensamentos negativos que nos dizem o contrário. Somos indivíduos amigáveis, borboletas sociais e fazemos amigos onde quer que estejamos ou onde quer que vamos. Por vezes, até tocamos o coração de muitas outras pessoas com o nosso comportamento atencioso e personalidades divertidas e adoráveis.

No entanto, haverá dias em que sentimos que não temos pessoas nas nossas vidas com as quais podemos sair. Todos os amigos que temos estão ocupados porque saíram com outras pessoas ou, quando vemos as nossas redes sociais, e vemos que todos os amigos que temos estão com o seu grupo, divertindo-se. Vamos questionar, porque achamos difícil pertencer a qualquer lugar ou grupo.

No entanto, devemos saber que somos importantes e não somos esquecidos. Temos de nos lembrar que não somos esquecidos, mas sim amados sinceramente, apesar do que os nossos pensamentos nos dizem.

Na verdade, podemos não pertencer a um grupo de alguns amigos específicos, mas somos sempre bem-vindos a muitos grupos e isso diz muito sobre a nossa personalidade.

Além disso, o facto de termos um grande número de amigos também significa que temos muitas pessoas em que realmente podemos confiar ou pessoas que podem confiar em nós. Não somos os únicos que se sentem assim.

O sentimento de solidão é bem conhecido entre muitas pessoas. Às vezes, duvidamos de nossa capacidade de fazer amigos e de mantê-los, pois essa é provavelmente a ação mais importante. Às vezes, questionamos-nos por que não podemos ter amigos em quem podemos confiar continuamente. Mas, por vezes, são os nossos pensamentos a criar ilusões na nossa cabeça.

Estamos sempre lá para os outros, mesmo quando eles não estão lá para nós. Essas questões/situações são sobre dar o amor que o nosso coração pode permitir. Isto é. serias aquela pessoa especial que faz as pessoas se sentirem especiais.

Deveríamos parar de procurar o lugar a que pertenceríamos. Não somos indivíduos que pertencem a apenas a um grupo. Devemos trazer alegria e felicidade a muitas mais pessoas.

Felicidades para todos aqueles que não pertencem a apenas um lugar, mas sim ao MUNDO INTEIRO. Seremos os amigos que todos amarão, e isso seria o suficiente para nos fazer perceber que pertencemos a algum lugar especial dentro dos seus corações

O Zahir

Olá, meus amigos, e chegou mais uma terça feira, o dia da nossa rubrica. Espero que a vossa semana tinha sido tão boa quanto a minha.

Hoje vou falar-vos de outro livro de Paulo Coelho que li durante a minha adolescência. Vou falar-vos de O Zahir.

Este livro conta-nos a história de um escritor de sucesso que tem uma vida extremamente confortável e com um casamento estável. Pode-se dizer que é um homem satisfeito. Até que, de um dia para o outro, Esther, a sua esposa, sai de casa, sem deixar rasto. Este acontecimento leva-o a repensar toda a sua vida, inclusive aquilo que julgava ter por adquirido. Aos pouco, a necessidade de compreender o que levou Esther a tomar essa decisão começa a consumi-lo de tal modo que se transforma numa obsessão. Uma obsessão que o leva a partir numa viagem para a reencontrar. Mal sabia ele, que nessa viagem se ia reencontrar com a sua essência…

Quanto de nós damos por garantido o que temos ao nosso dispor? Refiro-me não só ao nosso companheiro/a, mas também ao resto que nos circunda.

Uma das nossas piores qualidades é só agirmos depois de acontecer. Nunca pensamos que, de um momento para o outro, podemos perder o que possuímos. E, por vezes, perdemos devido a uma infantilidade ou até mesmo devido ao nosso ego.

Uma das lições que retive deste livro é que nunca podemos possuir nada, verdadeiramente, porque se possuirmos, esquecemos rapidamente do tempo que isso nos levou a conquistar. Depois de conquistada, temos tendência de por a um canto e só de lá retiramos quando nos apetecer de novo ter.

Agora, pergunto-vos: Como é que se perde uma coisa que nunca foi inteiramente nossa?

A resposta é muito simples. Perdemos porque não lhe demos o devido valor, porque sempre a demos como garantida.

Pois, agora vos digo que nada pode ser dado por garantia. Tem de existir uma constante procura para que não haja perdas.

Quanto de vós perderam aquilo que davam por garantido?

Termino a rubrica de hoje com a frase que se encontra na contracapa do livro:

«…tive de a perder para entender que o sabor das coisas recuperadas é o mel mais doce que podemos experimentar.»

Como sempre, vou querer saber a vossa opinião e ler os vossos comentários.

Até para a semana,

TCR 

Conselho da Semana

Olá a todos, já é segunda-feira, outra vez. Estamos cada vez mais próximos do final do primeiro mês do ano, o tão temível, Janeiro. Como tudo passa a correr! Vamos começar a semana da melhor maneira, com um conselho para nos ajudar a mudar a nossa perspectiva. Vamos lá?

Esta é uma história que me marca muito, pois até hoje estou um pouco magoado com as pessoas em questão, mas até há uns dias, percebi que o melhor é deixar ir e continuar na minha vida, sem chatear ninguém.

Esta história passa-se no longínquo e esquecido ano de 2017. Sim, um ano que me marcou pelo o inicio do meu trabalho. Consegui arranjar um trabalho num restaurante a fazer serviço de mesa.

Nessa altura, já tinha o blog e este servia de escape depois de um dia exaustivo de trabalho. Felizmente, esse restaurante trabalha sempre muito, quer seja de verão ou de inverno. Eu entrei em Maio desse mesmo ano e posso dizer-vos que no fim do mês de Junho sentia-me como se estivesse em casa!

Não pensem que é por ser mau trabalhador, pelo contrário, estive constantemente a avisar que tinha de me ausentar durante um fim de semana. Quem trabalha em restauração sabe que os fins de semana são um caos. O meu pedido foi autorizado, à partida.

Anúncios

Quando cheguei para ir trabalhar no dia seguinte, avisaram-me 30 min antes de ir trabalhar que já não necessitavam de mim e já tinham outra pessoa para o meu lugar… Eu só disse que era incrível a maneira como me avisaram.

A verdade é que essas pessoas ainda mexem um pouco comigo, porque existe sempre uma parte de nós que fica magoada, mesmo que se diga “Amigos na mesma”.

O meu conselho desta semana é “Perdoa”. Eu neste trabalho aprendi muito. Foi o início, e aposto que todos passam por experiências semelhantes, mas guardar mágoas não vale de nada, pois o mal já foi feito! Perdoa e segue em frente!!


Boa Semana!

Francisco

Mensagens por Bruna Boieiro 19/01 – 25/01

Olá, meus queridos, espero que esteja tudo bem convosco. A mensagem de hoje não foi fácil de escrever, pois todos nós, em algum ponto da nossa vida, já verificamos que a felicidade nos fugia por entre os dedos, e como estamos tão acomodados ao conforto de uma rotina, não fazemos nada para alterar isso. Ser feliz não é de todo uma tarefa fácil, mas é bem mais difícil entender o conceito de como ser feliz. A felicidade não é igual para todos. Não existe uma fórmula de como o ser, o que eu tenho é a certeza de que existem  formas de lutar por esta energia que tantos falam, mas que quase ninguém consegue alcançar.

Acredito piamente que a felicidade só depende de nós mesmos. É  um estado de alma que se adquire quando aprendemos que não são os outros que nos fazem felizes, mas sim NÓS em conjunto com os outros que o fazemos. Carregamos grande parte dessa responsabilidade e devemos isso à nossa a alma e à nossa energia. Ao longo dos anos, é-nos incutido desde cedo que para conseguirmos ser felizes temos de casar e ter filhos. Esta ideia, entre outras, está a ser passada de geração em geração e o mais grave disso é que as seguimos sem pensar-mos verdadeiramente se isso nos vai fazer felizes. E com o passar do tempo, um vazio vai crescendo e a sensação de infelicidade instala-se, mas o medo da crítica faz-nos ficar acorrentados a ideias e ideais que não são os nossos.

SÊ FELIZ e liberta-te, faz o teu caminho e constrói a tua felicidade com base naquilo em que acreditas, não fiques à espera que alguém o faça por ti, porque acredita que ninguém o vai fazer. Deixa esta energia fluir na tua vida e o primeiro passo depende apenas de ti. Encara as críticas como aprendizagens, e acredita que estas não te vão faltar, mas tu és mais forte que aquilo que pensas.

Estas disposto a ser Feliz? Então dá o primeiro passo…. E abraça a tua felicidade!

Com felicidade e Gratidão

Bruna Boieiro

https://www.facebook.com/asasanjo

Ansiedade: Passos para a Cura

Como sabes, todas as emoções pelas qual passamos têm um propósito. Elas podem ser agradáveis e/ou desagradáveis, mas todas elas ensinam-nos algo. No entanto, a ansiedade é uma emoção que pode realmente atrapalhar a nossa vida. É uma sensação incómoda de que algo está errado ou vai ficar terrivelmente errado.

Devido a esse sentimento, bastante incómodo, podes acabar com muito medo e, no final, com o medo de ‘o que vai acontecer?’. Precisas da garantia de que tudo ficará bem e, para preservar esse sentimento, sais do teu caminho, e esforças-te ao máximo e depois ficas esgotado emocionalmente.

Antes que percebas, a ansiedade tornar-se-á uma realidade e uma doença mental da qual não te consegues livrar. Aqui estão três mudanças que precisas de fazer para te livrares dos efeitos destrutivos da ansiedade

Em primeiro lugar, faz dela uma amiga. Por norma, resistimos muito à ansiedade e, como tal, não queremos que ela tome conta da nossa mente. Mas quanto mais tentamos livrar-nos dela, mais ela se torna mais forte. Isso ocorre porque a ansiedade é um amigo extremamente preocupado que está a tentar chamar. Tem uma mensagem importante para te informar e quanto mais o tentares ignorar, mais desesperado te tornas. A mensagem geralmente é que pode haver algum perigo. Não sabe como e de onde pode vir, mas virá, de acordo com a ansiedade. E, assim, ele quer estar preparado. Tome como certo e não faças nada isso

Em segundo lugar, faz a ansiedade recuar. A ansiedade sempre tem medo de dar um passo à frente. E, com tal, irá tentar impedir-te de fazeres algo que ela não queira que faças. Por exemplo, se encontrares um desconhecido a pedir ajuda, a tua ansiedade dir-te-á para não ires ajudar porque milhares de situações más poderão acontecer. Faz exatamente o oposto disso. Depois de fazer isso, fazes a tua ansiedade recuar um passo. Então, ela poder-te-á pedir para não teres uma conversa prolongada com o estranho. Faz exatamente o oposto disso. Dessa forma, um por um, empurras a ansiedade de volta e conquistas a tua liberdade.

Estes são apenas alguns exemplo, mas existem muitos mais. Mas a mensagem a retirar é que tu é que tens o poder para ultrapassar. Apenas o tens de descobrir dentro de ti.